Páginas

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Comemorando os feriados do calendário cristão

Olá queridas e queridos!
Tenho sido tomada por uma crescente alegria ao ver a forma como papais e mamães têm se interessado por retomarem as rédeas da educação de  seus pequenos. Embora eu veja muita gente que prefere se esquivar da discussão, tenho recebido sinceras palavras no blog, na rua, e em diversos espaços sobre o desejo de muitos pais de mudarem a rota de suas vidas e ajustarem suas agendas tendo como prioridade suas famílias e suas reais necessidades. Isto me motiva a escrever, compartilhar e aprender com esses pais.

Bom! Vamos ao que importa. Quem acompanha o blog a mais tempo sabe que em 2013 tive que trabalhar com meu filho choroso as questões relativas ao Natal, pois ele não aceitava que o comemoracemos fora do ponto de vista consumista que junta Papai Noel e compras, compras e compras. Embora doar seja sempre uma boa forma de refletir sobre Cristo como dadiva de Deus e eu goste muito de dar lembrancinhas e presentes quando possível, não queria que meu filho associasse nenhum dia especial do  calendário cristão a shoppings e compras. 

Então iniciei em 2014 a saga em busca de comemorar as datas especiais da cristandade e produzir tradições em nossa família. É isso que me fascina nas mães que põem seu coração em casa e em sua família! A possibilidade de produzir memórias…sim memorias visuais, olfativas, gustativas que dão aos filhos a sensação que estão em casa sempre que as sentem ao longo de suas vidas. Talvez eu seja por demais romântica, mas sempre quero que meu filho  lembre daquele sanduíche quente que a mamãe cortava em forma de barquinho ou de pipa… que lembre de nosso natal, de acordar o pai no aniversário para dar os parabéns e comer um bolo com ele de chocolate depois do almoço. Eu luto por essas memorias com eles, mesmo que um dia venham a não valorizar isso tanto quanto eu.  Entre essas coisas estão as  datas importantes que servem como marcos ou memoriais de nossa fé e tradição familiar.

Sei que para alguém este post pode parecer sem propósito, mas creio que não devemos deixar que modismos e tendencias ditem os rumos de nossa família e devemos construir com nossos filhos nossos marcos e tradições, além de se possível incluir as datas importantes do segmento cristão que participamos. Crianças guardam memórias visuais, táteis e gustativas.  Elas aprendem a importância da coisa vivenciando. Não deixe que agendas atarefadas tomem o lugar do estar junto, comemorar junto, rememorar e celebrar junto em sua família.

No ano que passou fizemos isso por aqui e foi muito positivo. Sobre nossa celebração na Pascoa já falei aqui e no Natal este ano tive uma grata experiência com Benjamin, especialmente ele, pois Beatriz é ainda muito pequenina. Organizei com ele projetos que julguei adequados para sua idade e a ocasião.
Benjamin entregando seu cofrinho no departamento social da igreja, parte do nosso projeto de Natal

1- A Árvore diferente: Mandei confeccionar pequenas laranjinhas de feltro com o nome das características do  fruto do Espirito escritas e trabalhamos durante 9 semanas pendurando as frutiinhas numa palmeira que temos na sala. Expliquei pra Benjamin que Cristo veio à terra para nos tornar diferentes e que através dEle podemos dar frutos. Toda semana eu trabalhei com ele uma das característica do fruto do Espirito. Penduramos a última laranja dia 24 de dezembro e agradecemos a Jesus por seu nascimento e morte para que vivessemos uma nova vida em Cristo. Não espero que ele saia com um doutorado no que conversamos. Apenas, o introduzi à ideia de que o nascimento, vida e morte de Cristo devem modificar quem somos e como olhamos a vida. Quero que ele entenda o trabalho do Santo Espirito em nós a partir da vida e morte do nosso Senhor na Cruz.

2- O cofre do Natal: Juntos começamos em outubro a juntar moedas num cofrinho para doar a crianças do projeto Samuel, um projeto social que cuida do desenvolvimento de criancas de baixa
 renda. Nesta atividade trabalhei com ele a ideia de que Deus deu ao mundo o que ele tinha de mais importante: Jesus. Falei que nada que façamos pelos outros se compara ao que Cristo fez por nós na cruz, mas que quando ele entra no nosso coração queremos repartir o que temos materialmente e acima de tudo a mensagem do amor de Deus pela humanidade. Perto do natal, o levei para entregar sua doação.
3- Conte para alguém: Falei para ele que devemos anunciar, assim como os anjos que Cristo veio nos salvar. Então, eu pedi que escolhesse alguém para falar da mensagem do natal e a escolhida foi sua irmã, Beatriz. Embora eu soubesse que a nossa pequena não tem ainda a capacidade cognitiva de compreender a mensagem, deixei que ele contasse para a irmã e pedi que falasse sobre o verdadeiro natal a outros também, especialmenta àqueles que não tinha certeza se conheciam a Cristo. Como ele é timido me confessou sua dificuldade em fazer isso e pediu que eu orasse por um amiguinho que escolheu.

Eu tenho meu calendário de datas importantes na nossa família. Algumas são nossas, como aniversários, datas importantes para nós. Estas datas estão mescladas com outras datas e eventos do calendário cristão e do País. Agora, por exemplo, voltaremos os nossos planos para o aniversário da vovó e do nosso casamento (pois gostamos de expressar a nossos filhos e de comemorar também com eles o fato de Deus ter nos unido). Estou também lendo o evangelho de Mateus e a historia do povo de Deus do Egito a Canaã  como uma preparação para a pascoa.

Estes dias me veio a ideia de expor um calendario gigante no quarto das crianças com as datas e meses. Se fizer, vocês saberão de primeira mão.
Quando escolhemos desprezar a ideologia e os marcos que regem este mundo, precisamos conhecer e firmar os nossos. Convoco vocês, mamães queridas, a fazerem o mesmo. Enquanto escrevo, lembro de Deus ordenando a Moises que os pais rememorassem a pascoa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário