Páginas

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Eu preciso disso, como mãe!

Salmos 42.8
“Contudo, o Senhor, durante o dia, me conceda a sua misericórdia, e á noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida".

No dia-a- dia atarefado, eu preciso muito da graça e da misericórdia divina e meu dia é completo com um cântico de louvor no fim de tudo por ter vencido minha batalha diária. Hoje o verso deste poema definiu minha carencia de Deus na minha jornada diária. Você se sente assim? Estamos juntas!
Tenham um bom dia!!!

sábado, 25 de janeiro de 2014

O que tem no prato hoje? Seguindo a seqüência…Estimulando o filho a comer

Este é um dilema pra quase todas nós, acredito.  Manter as crianças com uma boa alimentação e faze-las experimentar novos sabores. São muitas coisas a combinar e muitas coisas a dar conta:será que a quantidade que meu filho come é suficiente? Dou um lanche pra ele não ficar com fome? e la vai um sem fim de questionamentos. Acredite! Se você não é mãe, não sabe a alegria que é pra nós um prato vazio que foi oferecido cheio a um pequeno. No entanto, é sim possível cultivar bons hábitos alimentares.

Aqui vão algumas dicas sobre a alimentação dos pequenos, extraídas de diversas leituras:

1- Tenha várias opções de um mesmo grupo alimentar. Veja se seu filho aceita algum. Por exemplo, se seu filho não aceita feijão mulatinho, tente outras receitas com outras leguminosas: lentilha, grão de bico, feijão preto, verde, branco, etc. ou faça uma nova receita!!! Mas não desista fácil de um determinado tipo de alimento. Outra dica legal é servir o mesmo ingrediente de diversas formas. Vou dar um exemplo: seu filho pode não gostar de cenoura cozida, mas apreciar este legume cru temperado com vinagre e sal ou limão e sal, pode gostar dela refogada, em forma de purê, etc. A forma como temperamos e preparamos um ingrediente muda tudo! Veja algumas combinações de salada de legumes com maionese, por exemplo:
a) Batata inglesa cozida, com ovo cozido machucado no garfo e maionese
b)Batata inglesa cozida, com ovo cozido machucado no garfo, atum ou frango desfiado, azeitona verde e maionese
c) Batata inglesa cozida pimentão vermelho e pimentão amarelo em cubos cozidos porém firmes, ervilhas( prefira as congeladas às enlatadas), blanquet de peru em cubinhos e maionese
d) Cenoura, chuchu, batata inglesa e vagem cozidas  e maionese
e) Repolho cru com cenoura ralada e maionese
2- Fuja da monotonia! Seu cardápio pode ser simples, mas variado ao longo dos dias. Crie pratos coloridos!!!
3- Varie os temperos! Isso faz toda diferença.
4-Nunca desista dos legumes! Faça bolinhos assados, ponha na massa da panqueca, em tortas, sopas, omeletes, mas não desista!!!
5- Se seu filho aceitar um alimento não ofereça todo dia. Você poderá causar monotonia ou fixação. Se aquele alimento está garantido alterne com outros.
6- Não troque nunca almoço por lanche….os pequenos aprendem logo a barganhar e negociar. 
7- Verifique se seu filho não gosta do sabor dos alimentos ou se quer simplesmente comer outra coisa mais fácil.
8- Crie uma rotina de alimentação e um cardápio unificado. Inclua nas refeições alimentos que seu filho come, mas se ele está na idade de comer com a família, não faça um cardápio separado para ele. Isso só aumenta fixações em determinados alimentos. 
9- Leve seu filho pra cozinhar algo simples ou fazer suco com você, combinando que ele vai provar.
10- Controle sua ansiedade! Esteja no controle da situação.
11- Acerte a medida do leite: Não substitua o almoço por mamadeiras de leite. De acordo com a revista crescer de 7 meses a 2 anos recomendadas 3 a 4 porções de 120ml de leite e derivados; de 2 a 3 anos cinco porções de 120 ml e de 4 a 6 anos são quatro porções de 180 ml. Entre essas porções conte com os iogurtes, porções de queijo, leite fermentado, etc. Se seu filho não come, desistir e dar um mingau reforçado a cada 3 horas não vai resolver o problema. Ele pode, inclusive, ter problemas de saúde como acumulo de gordura no fígado. 
12- Saiba que essa batalha nunca se finaliza, pra todas nós há dias melhores e piores.
13- Identifique fases e problemas que refletem na alimentação (doença, problemas que a criança enfrenta, discordancia entre os pais, guloseimas em excesso, etc.). Se não houver nenhum problema e seu filho não quiser comer a nenhum custo, explique que ele só poderá comer naquela hora especifica (do lanche, por exemplo).

Bom! Paciência é tudo!!!

No próximo post falaremos sobre problemas que interferem na alimentação das crianças e algumas dicas para introduzir bebês no mundo colorido dos alimentos.

Fontes de consulta:
Guia descomplicado da alimentação infantil- Dr Mauro Fisberg e Priscila Maximino
Revista Crescer- Edição de Março de 2011

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Antes de ligar para o médico, mantenha a calma e tente verificar….

Imagem: The guardian.com

Bebês  e crianças muito pequenas não sabem muitas vezes comunicar direito o que sentem. Eis uma razão porque muitas vezes nós mães de pequenos temos que desenvolver o conhecimento sobre eles para saber o que os incomoda quando choram. Com o tempo passamos a perceber o que acontece com eles com mais facilidade.

Muitas vezes pais, especialmente os de primeira viagem, levam seus filhos ao hospital ou ligam para o pediatra e lá descobrem que era algo simples que poderia ser resolvido em casa. Tenho uma amiga que levou seu recem-nascido ao hospital e era sono o problema. Vocês acreditam? O bebê estava com calor e não conseguia dormir, segundo ela. problema que se resolveu com o ar-condicionado do hospital. Então, antes de ligar para o pediatra, verifique:

1. Fome, sede, cocô, xixi, calor (ou frio)ou cólica- Isto é o que primeiro você deve verificar. Com o tempo você aprenderá a identificar como seu filho reage em cada uma dessas situações. Eu faço sempre uma checagem geral desses fatores, antes de achar que há algo errado. Na medida em que voce conhecer o seu bebê, o jeito que ele chora e se comporta em cada uma dessas situações passará a ser conhecido de você, mamãe. Quanto mais tempo você gastar com ele, mais você apreenderá sobre ele.
2.  Temperatura- Simples, pegue o termômetro e verifique se seu filho tem febre.
3.  Respiração- Verifique se seu bebê está com dificuldade de respirar, se respira mais rápido ou devagar que o normal.  Veja se esta com o nariz congestionado. O bebê está tossindo? A tosse é seca ou tem muco? O muco é transparente, esverdeado ou amarelado?
4.  Comportamento- Houve alguma mudança? O bebê parece indisposto? mal-humorado? Está apático? Verifique se há algo no ambiente que justifica a mudança!
5. Verifique:
Pele- Vermelhidão, picada, brotoejas, assadura ou qualquer alteração presente?
Boca- Gengivas inchadas ou qualquer  outra alteração?
Garganta - O arco na garganta está avermelhado?
Moleira- Inchaço ou afundamento?
Orelhas: O bebê toca as orelhas ou se mostra incomodado quando se toca próximo aos ouvidos? Existe alguma secreção saindo de alguma orelha?
Sistema digestivo- Está se alimentando normalmente? fezes e urina com frequencia e aspecto normal? está vomitando? O esforço para vomitar está sendo seco? O bebê parece constipado?

Mesmo que um desses sinais lhe indiquem a necessidade de ligar para o pediatra, estas informações são importantes para a orientação médica. Mantenha a calma! ela quase sempre ajuda!!! Se você é mãe de primeira viagem, poderá se sentir frustrada e incompetente para resolver e identificar o que aflige seu filho nas primeiras vezes em que ele abrir o berreiro, como dizemos por aqui. É importante que você tennha em mente que, com tempo, você aprenderá sobre seu filho, o que tornará as coisas melhores.

Um abraço e até a próxima!

Fonte de consulta- O que esperar do primeiro ano
Autores: Heidi Murkoff
               Arlene Eisenberg
               Sandee Hathaway
Editora: Record, 2a Ed.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Em defesa da simplicidade na organização da casa


Regras domésticas de organização
  • Se tirou do lugar, reponha.
  • Se trouxe, leve de volta.
  • Se pegou emprestado, devolva.
  • Se abriu, torne a fechar.
  • Se largou em qualquer lugar, guarde.
  • Se tirou a roupa do cabide e não vai usar, volte a pendurá-la.
  • Se quebrar, conserte, reutilize de outro jeito ou jogue fora.
  • Se sujou, limpe.
Fonte: Adaptado de Organize-se por Dona Smallin. Editora gente


Que tal aplicar a nossas vidas e ensinar essas regras a nossos filhos? Diminuiria muito o nosso trabalho!!!!









Imagem:childrendayton.org

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Resolvi construir um lar em vez de limpar a casa neste novo ano

Vou postar um texto  do blog da Heidi St John- The busy mom. Aqueles que dominam a língua inglesa podem encontrar no link o blog original. Eu descobri esta autora ouvindo um podcast do programa de rádio do James Dobson. Gosto muito de ouvir áudios de mensagens, pois é possível aprender com elas enquanto fazemos milhões de coisas. Bom, o texto que posto a seguir é de uma autora chamada MacKenzie Monroe e figura originalmente no blog que falei. Quando li, pensei logo em compartilhar com as queridas que acompanham o blog. Segue o texto na integra, traduzido por mim (desculpem algum deslize):



Eu não sei sobre você, mas muitas vezes quando eu estou planejando minhas metas e resoluções para o ano novo isto inclui algo ao longo das linhas como...
"Este será o ano em que eu vou chegar em cima da minha meta de limpeza da casa e vai ficar tudo organizado!"
Mas, como muitas resoluções, dentro de semanas, o trabalho torna-se cansativo e aparentemente incontrolável e minha motivação diminui:
"Por que tudo isso se as pessoas vão 
simplesmente destruir tudo atrás de mim?"
"Eu me sinto como uma empregada!"
E antes que você perceba eu estou de volta onde eu comecei!
Eu quero que meu foco mude de fazer tarefas de limpeza a criar uma atmosfera!
Este ano, porém, estou ousando pensar sobre as coisas de forma diferente. Ao invés de me concentrar exclusivamente na limpeza e lista de tarefas do que precisa ser feito, eu quero reformular toda a idéia do que é que eu estou tentando fazer com toda essa limpeza e esforço. Eu quero que o meu foco mude de de executar tarefas de limpeza para criar atmosfera. Eu quero que a grande meta seja o centro da minha determinação.
Em vez de pensar: "Se alguém entra em minha casa eu não quero que eles vejam um único prato na pia!"
Eu quero transformar a minha exigência pensando em uma pergunta: "Se alguém entra em minha casa, como ele vai se sentir? O que ele vai não apenas ver, mas sentir o cheiro, ouvir, tocar e até mesmo sentir o gosto? "
É nesse ponto que eu vou me transformar  de uma funcionária em uma dona de casa. Me tornarei uma criadora de coisas belas, promotoras de paz e encantadoras. Eu decidi mergulhar totalmente na arte perdida de realmente construir um lar, um lugar de refúgio, onde as pessoas gostam de estar. Isso não significa que ele tem que ser impecável, mas sim, arrumado o suficiente para ser confortável e calmante para a alma. Isso não a torna menos trabalhosa, na verdade, a verdadeira economia doméstica exigirá esforço ainda extra, mas não é esforço fútil de tarefas domésticas sem propósito. É o trabalho duro de criar um ambiente que será para sempre gravado nas memórias das minhas crianças do que nossa casa era e é e deve ser.

COMO É QUE VAMOS FAZÊ-LO, Então?

É lindo falar, mas como é que vamos realmente fazer isso acontecer em todos os espaços de nossas vidas ocupadas? Bem, eu não tenho a pretensão de ser um especialista, por qualquer meio, mas aqui é o meu plano-
Delegar! Não espere para ser capaz de fazer tudo sozinho, a menos que você viva sozinha em paz! O trabalho duro e a responsabilidade são bons para as crianças. Ensine-lhes o valor agora de ajudar a manter as coisas limpas e arrumadas para criar um lugar no geral mais confortável para se viver. Ajude-os a encontrar a alegria na criação de uma bela morada com você.
Seja razoável! Com a expectativa de chegar ao topo de tudo em um dia, uma semana, ou talvez até mesmo um mês, pode frustrá-lo rapidamente quando se torna impossível.
  • Faça uma lista mestre para organizar metas que deseja realizar em sua casa e programá-las durante todo o primeiro trimestre do ano.
  • Divida a sua casa em tarefas de limpeza de modo que você faça um pouco a cada dia e não se deixe prender pela limpeza.
  • Crie momentos de "arrebatar e agarrar"  durante todo o dia quando todos param o que estão fazendo e rapidamente arrumam as coisas antes que eles saiam do controle.
São os 10 minutos aqui e ali que mantêm a organização manejável, não os episódios de limpeza longos de três dias.
Adicione a beleza! São os pequenos detalhes que fazem da casa um lar. Não fique tão preso a limpeza que você negligencie este importante pedaço do quebra-cabeça.
  • Acenda uma vela agradável  ou difunda alguns óleos essenciais-crie os perfumes que desencadeiam memórias de seus filhos de casa quando eles são mais velhos.
  • Adicionar um pequeno buquê de flores para sua mesa de cozinha.
  • Procure por um pouco de diversão,  arte para imprimir palavras livre no Pinterest que você pode colocar em quadros baratos e mostrar ao redor da casa. Você pode até dar um passo mais longo e pintar com spray os quadros numa cor bonita, festiva para a estação!
  • Obter um quadro emoldurado, ou até mesmo pintar uma parede inteira com pintura do quadro, e escrever palavras encantadoras e encorajamento para a sua família sobre ele. É super simples e você pode alterá-lo sempre que quiser!
  • Em vez de entregar os seus filhos um lanche rápido no período da tarde, retire alguns discos pequenos de doces (você pode escolher alguns em uma venda de garagem para) sirva-os com uma variedade de biscoitos e talvez até mesmo uma xícara de chá.
Faça pequenas coisas para tornar momentos regulares especiais e significativos.Realmente não é preciso muito mais esforço do que você teria colocado em coisas, mas um pouco mais de capricho extra pode transformar a maneira como a sua família pensa de casa e o que eles vão se lembrar no futuro.
O objetivo aqui não é ter nossas casas na capa da Better Homes and Gardens ou tornar-se um militante em defesa de nosso espaço. Trata-se de recuperar a perdida arte que as mulheres do passado orgulhosamente reivindicavam como própria. Caroline, de Little House em the Big Woods, mesmo, tingiu sua manteiga com o suco de cenoura, no tempo de inverno, antes de defini-lo em um molde decorativo para que ele tivesse a tonalidade adequada e desejável aos olhos. Ela não tinha muito e sua vida não era de forma extravagante, mas o que ela tinha, ela fez bonito apenas por uma questão de ser bonito. Esta foi a forma como ela abençoou sua família.
Que possamos ser como Caroline e graciosamente abençoar nossa família com alegria, quando fazemos as pequenas coisas  para eles, e nós, neste novo ano! Agora vão, e sejam abençoadas, vocês amáveis  donas de casa, vocês!


Nota da Blogueira: É por essa e outras razões que para muitas de nós vale a pena gastar tempo em casa. Lembro da minha amiga e irmã do peito Eliana. Uma eximia artista plástica! Um dia cheguei em sua casa, eu ainda solteira…Ela pegou uma taça de sua coleção que quebrou e transformou num belo enfeite com cachos de uva feitos por ela em biscuit! Ficou algo belo! Não era algo feio e brega, não! Transformar algo quebrado num adorno personalizado...Isso é fazer um lar e não ser uma arrumadeira, apenas. Por isso, minhas amigas quando alguém fizer que sua tarefa domestica pareça inutilidade, apenas sorria por dentro, e deixe estar, nem se ofenda, nem sinta diminuída… Quando você se sentir criticada por gostar de estar em sua casa e alguém achar isso monotonia, tenha a certeza que essa pessoa não sabe o quanto é desafiante e eletrizante tornar uma casa um lar. Pra mim pelo menos é!! Principalmente depois que a família cresceu, mas estamos na labuta por isto!
Um bonm dia a todos!!! 
Imagem: aboutmom.com

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O que tem no prato hoje? O que nossos filhos precisam comer

Oi queridos e queridas!
Paz seja com todos vocês.

Sei que entre meus leitores há alguns papais, vovôs e vovós, também titias e outros que apreciam nosso papo. Obrigada a todos pela presença neste blog. Hoje o tema talvez seja um dos que encasqueta mais o juízo das mamães e talvez dos papais. Esta série de posts responderá à querida Milene que nos mandou esta sugestão na pagina do blog no facebook. Como me afastei por uns dias do blog pelo nascimento de Beatriz, espero, querida Milene não ter demorado excessivamente. Vamos lá ao nosso tema.

Quem é mãe sabe que raramente a alimentação dos pequenos não é um desafio. Mesmo aqueles que comem de forma variada, de vez em quando nos deixam preocupadas e até ansiosas. Quem não conhece a cena de segurar uma colher por minutos tentando convencer um pequeno a abrir a boca. Fora a cisma de não comer algum alimento por um tempo, geralmente algo que sempre gostaram. Pra quem isso não é uma constante, é uma cena que ocorre. Uns comem bem em algumas refeições e em outras não. Fora as fixações alimentares (já vi caso de um menino que só comia farofa, outro que só comia salchicha e milho e outro que a mãe achava que tinha que dar uma colher de iogurte e outra de almoço!).  Oh Situação!!!!  O que fazer, então? Não há receita de bolo! Há coisas que se pode, no entanto, compartilhar.
Uma primeira questão, creio, é o que deve compor a alimentação de nossos filhos. Acho que esta consciência nos ajuda a entender e tentar compor um cardápio minimamente nutritivo e adequado para nossa familia. Quando temos filhos pequenos, montar um cardápio é um desafio e alimentar os pequenos também. Este é um exercício que requer perseverança e paciência, além de força pra  resistir à frustração.    Alimentar nossa família requer agradar muitos paladares, o que por si só pode levar uma mãe ao desespero, mas sempre com paciência podemos encontrar uma saída.

Vamos começar uma série de posts sobre alimentação. Hoje, no primeiro, falaremos sobre o que deve compor o cardápio dos nossos filhos.  Não há como falar desse tema, sem falar da pirâmide alimentar que mostra a importância de uma alimentação balanceada e os grupos alimentares que devem estar presentes em nossa alimentação.


Segundo o Dr Mauro Frisber e a nutricionista Priscila Maximino em seu Guia descomplicado  da alimentação infantil os grupos alimentares que podem ser destacados são os seguintes:

a) Energéticos- São as fontes de carboidratos. Eles fornecem energia para nossa garotada executar basicamente tudo que ser criança envolve (brincar, pular, correr). Destacam-se os tubérculos (inhame,batata, etc.), as massas e os pães.

b)Reguladores- São as hortaliças e as frutas. Eles garantem, segundo os autores, a oferta de minerais e fibras. Dão uma força no sistema imune da garotada e protegem as celulas dos radicais livres.

c) Construtores- Estes também são alimentos  essenciais ao crescimento. Fornecem proteína (carnes, ovos), cálcio (caso dos laticínios) e são fundamentais para a saúde óssea e para a manutenção dos músculos.
d) Doces e Óleos- Devem ter um espaço menor no cardápio. Não devem ser excluídos da alimentação, pois  têm o seu valor.
e) Água- A boa hidratação é muito importante para a garotada. Ela estabiliza a temperatura do corpo, transporta nutrientes entre as celular e ajuda a expelir aquilo que é indesejável.

Dentro de cada categoria existe uma variedade de alimentos. No próximo post falaremos de formas de variar o cardápio e lidar com as fases pelas quais nossos filhos passam, além das quantidades de porções de cada categoria alimentar. Acredite, eu sei o malabarismo que nós mães que alimentamos pessoalmente nossos filhos fazemos para que comam.

Um abraço a todos,
voltaremos em breve continuando o tema!





segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Mães!

Hoje, ao me recolher para dormir, percebi que muitas de nós somos as primeiras que acordamos e as últimas que dormimos e, ainda assim, não corremos para a cama. Lembro de minha mãezinha me cobrindo de madrugada e beijando meu rosto. Dava até a impressão de que ela não dormia... Eu repito seu gesto, se não parece que há algo faltando no meu dia!Acho que por essa e outras razões nossos filhos pensam que temos superpoderes e que podemos fazer tudo ao mesmo tempo. De vez em quando, temos que lembrar a alguém em casa que não somos Aquele que não se cansa, nem se fadiga. Não temos poderes mágicos. O que temos é o poder de amar e tornar isso em gestos!
Ser mãe é o antidoto contra o egoismo e a chave do amor solidário.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Não duvide. Você é capaz de proporcionar bons momentos aos seus filhos!!!

Em tempos de férias muitas vezes somos levados a pensar que nossos filhos precisam de atividades mirabolantes. Até mesmo nossos pequenos logo começam a se queixar de que não há nada em casa para fazer. Muitos pais que não podem pagar ou mesmo não querem pagar por colonias de férias caras (algumas chegam a custar de 800 a 1000 reais por mês) ou parques caros podem sentir que estão negando algo aos filhos.

No entanto, não pensemos que é o fim do mundo!!! Há passeios ao ar-livre de graça em parques e praças, há praias! Talvez o Zoologico não seja dos melhores, mas existe. Há quintal e vizinhança pra explorar. Além de tudo isto, existe você! Sim, a mamãe pode ser divertida!!! Invente acampamento na sala, brinque de bonecas e carrinhos, desenhe, leve os pequenos pra fazer bolo na cozinha com você, dê um banho de mangueira no quintal, faça origami com eles, enfim, faça o que sua criatividade indicar!!! Organize com eles fotos antigas da família!Prove para seus pequenos que estar em familia pode ser divertido. Convoque a vovó, as tias, os primos mais velhos, convide os amigos pra uma tarde divertida, etc… Você não precisa se sentir fracassada por não ter muito dinheiro pra gastar ou achar tudo caro e consumista demais!! Esta semana vi uma mãe reclamando que não há como divertir os filhos se gastar menos que R$100,00. Jura?! Eu discordo! Hoje mesmo, Benjamin e eu vamos nos divertir na feira pública comprando e provando frutas e legumes!!! 

Eu sei…ás vezes vamos fazer o almoço e parar, segurar e ninar o bebê com um braço e desenhar com a mão do outro lado ou mesmo participar de duas ou tres brincadeiras ao mesmo tempo. No entanto, tenha um espirito leve e ensine aos seus filhos que podem encontrar diversão sem seguir as programações padronizadas pelo universo da industria do entretenimento infantil.

Não estou condenando nehuma atividade, apenas acho que podemos fazer muita coisa legal sem estourar orçamento e sem  seguir a onda dos demais. 
Mães podem ser divertidas! A minha, pelo menos, era!


Imagem: Colourbox.com