Páginas

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O que tem no prato hoje? O que nossos filhos precisam comer

Oi queridos e queridas!
Paz seja com todos vocês.

Sei que entre meus leitores há alguns papais, vovôs e vovós, também titias e outros que apreciam nosso papo. Obrigada a todos pela presença neste blog. Hoje o tema talvez seja um dos que encasqueta mais o juízo das mamães e talvez dos papais. Esta série de posts responderá à querida Milene que nos mandou esta sugestão na pagina do blog no facebook. Como me afastei por uns dias do blog pelo nascimento de Beatriz, espero, querida Milene não ter demorado excessivamente. Vamos lá ao nosso tema.

Quem é mãe sabe que raramente a alimentação dos pequenos não é um desafio. Mesmo aqueles que comem de forma variada, de vez em quando nos deixam preocupadas e até ansiosas. Quem não conhece a cena de segurar uma colher por minutos tentando convencer um pequeno a abrir a boca. Fora a cisma de não comer algum alimento por um tempo, geralmente algo que sempre gostaram. Pra quem isso não é uma constante, é uma cena que ocorre. Uns comem bem em algumas refeições e em outras não. Fora as fixações alimentares (já vi caso de um menino que só comia farofa, outro que só comia salchicha e milho e outro que a mãe achava que tinha que dar uma colher de iogurte e outra de almoço!).  Oh Situação!!!!  O que fazer, então? Não há receita de bolo! Há coisas que se pode, no entanto, compartilhar.
Uma primeira questão, creio, é o que deve compor a alimentação de nossos filhos. Acho que esta consciência nos ajuda a entender e tentar compor um cardápio minimamente nutritivo e adequado para nossa familia. Quando temos filhos pequenos, montar um cardápio é um desafio e alimentar os pequenos também. Este é um exercício que requer perseverança e paciência, além de força pra  resistir à frustração.    Alimentar nossa família requer agradar muitos paladares, o que por si só pode levar uma mãe ao desespero, mas sempre com paciência podemos encontrar uma saída.

Vamos começar uma série de posts sobre alimentação. Hoje, no primeiro, falaremos sobre o que deve compor o cardápio dos nossos filhos.  Não há como falar desse tema, sem falar da pirâmide alimentar que mostra a importância de uma alimentação balanceada e os grupos alimentares que devem estar presentes em nossa alimentação.


Segundo o Dr Mauro Frisber e a nutricionista Priscila Maximino em seu Guia descomplicado  da alimentação infantil os grupos alimentares que podem ser destacados são os seguintes:

a) Energéticos- São as fontes de carboidratos. Eles fornecem energia para nossa garotada executar basicamente tudo que ser criança envolve (brincar, pular, correr). Destacam-se os tubérculos (inhame,batata, etc.), as massas e os pães.

b)Reguladores- São as hortaliças e as frutas. Eles garantem, segundo os autores, a oferta de minerais e fibras. Dão uma força no sistema imune da garotada e protegem as celulas dos radicais livres.

c) Construtores- Estes também são alimentos  essenciais ao crescimento. Fornecem proteína (carnes, ovos), cálcio (caso dos laticínios) e são fundamentais para a saúde óssea e para a manutenção dos músculos.
d) Doces e Óleos- Devem ter um espaço menor no cardápio. Não devem ser excluídos da alimentação, pois  têm o seu valor.
e) Água- A boa hidratação é muito importante para a garotada. Ela estabiliza a temperatura do corpo, transporta nutrientes entre as celular e ajuda a expelir aquilo que é indesejável.

Dentro de cada categoria existe uma variedade de alimentos. No próximo post falaremos de formas de variar o cardápio e lidar com as fases pelas quais nossos filhos passam, além das quantidades de porções de cada categoria alimentar. Acredite, eu sei o malabarismo que nós mães que alimentamos pessoalmente nossos filhos fazemos para que comam.

Um abraço a todos,
voltaremos em breve continuando o tema!





Nenhum comentário:

Postar um comentário