Páginas

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Pequenos passos que se tornam passos femininos apressados!


``Os pais amorosos  olham para os seus pequeninos e refletem sobre o prodígio dessa nova vida cheia da promessa de esperança para o futuro. Todavia, embora sintam orgulho nessa hora, querem também proteger sues filhos dos inevitáveis desafios que surgem com a maturidade e as realizações.
Os pais sabem que a ingenuidade de hoje pode ser rapidamente substituída pelo sofrimento de amanhã, e o amanhã não está assim tão distante. Posso ainda ouvir os sons dos pezinhos da minha filha. Eles batiam o assoalho como se fossem as mãos da minha avó no domingo de manhã.  Pareciam parte da percussão de uma sinfonia infantil, escrita em cadência de risos e muitas vezes de melancolia. O tom mudava de momento a momento, mas a clave se mantinha a mesma.
Minha filha foi escrita em amor e, por algum tempo, apenas um momento breve e brilhante, ela foi escrita para mim.
O som dos pés descalços, porém, é em breve substituído pelo dos saltos altos e passos fortes. A menininha dos olhos do papai logo será a namorada de alguém. Um de cada vez, ela dá passos que levam a feminilidade, e os passos entre as tortas de barro e as de creme são repletos de preocupações para os pais.
Que longo caminho os pequeninos pés devem fazer até chegar aos escarpins e às bolsas. É um longo caminhar morro acima. O morro é tão alto que algumas não conseguem subir sem tropeçar, sem machucar-se e esfoliar a pele durante a jornada. Que pai sensato não teme os problemas que sua filha vai ter de enfrentar? Que mãe amorosa não ora à noite para que sua menina tenha uma chance de lutar? Ela precisa ser uma guerreira, pois cedo ou tarde haverá um desafio para que possa sobreviver. Ela não poderá fugir do desafio. Não é provável.
Com passos rápidos, seguros e firmes, ela avança para um destino que ninguém pode prever. É a incerteza do futuro que faz o coração dos homens buscar um Deus que enxerga onde os olhos fracos são débeis demais para aventurar-se. Quem pode ver o amanhã senão aquele que o segura na mão? A menina de hoje é a dama de amanhã...talvez´´.

Reverendo T.D. Jakes em A dama, seu amado e Seu Senhor- As três dimensões do amor feminino. 
Editora: Mundo Cristão.

Em primeiro lugar, a ausência se deve a uma mente que quer escrever acompanhado de uma lombar desobediente que insiste em doer.
O Post se deve a uma mamãe grávida de uma menina que pede graça todo dia a Deus pra criar uma garotinha ajudando-a no percurso da vida. Espero que Deus me conceda esta graça! Uma boa noite a todos!!! 
Voltei! A mamãe continua em casa...

sábado, 24 de agosto de 2013

Filhos são como plantas, não como ervas daninhas

Uma boa noite em paz a todos os leitores e leitoras!


No nosso dia-a-dia nos deparamos com as mais diversas formas de pensar. Todos temos as nossas opiniões pessoais sobre muitos temas, mas estas opiniões não são construídas na originalidade solitária. Nossas ideias se respaldam nos alicerces espirituais, morais e ideológicos que escolhemos para fundamentar nossa vida. Inevitavelmente, vamos aos poucos construindo nossa base ou alicerce firmados em alguma coisa. Creio que isso torna tão propicia a metáfora bíblica da casa na areia e da casa  na rocha.  Não há um personagem que construiu sua casa em alicerce nenhum! Sempre construímos em algum alicerce, mesmo que não tenhamos consciência disso.
Se você leu o título deste post pode achar que estou divagando sem rumo. Não é nem de longe o caso. Eu sei onde quero chegar. Fiquei pensando nos alicerces que as ideologias da moda nos propõem para fundamentar nossas relações pessoais, especialmente aquelas de nossa família. Hoje, temos um movimento forte que defende uma visão da infância bastante conveniente a certa gama de valores.

É comum ouvirmos profissionais darem nada mais que sua opinião pessoal transvestida de um academicismo que só se sustenta no discurso recheado de palavras chavões falarem da infância como se fosse uma fase que para construir sujeitos saudáveis dependesse do grau de autonomia, diversão e liberdade de nossas crianças. Não estou negando a importância dessas aquisições, eu só fico pensando se tudo de fato gira em torno destas palavras ou se o velho equilíbrio ou moderação tão aconselhados na Bíblia não seria de fato uma palavra chave em qualquer época da vida humana.

Os filhos pequeninos devem aprender desde cedo a ficar longe dos pais todo o tempo, brincar sozinhos,  pegar no sono sozinhos e de preferência não sentirem a ausência de quem passa o dia distante deles ( Até o tão famoso e citado Freud é esquecido nessas horas com sua explicação para a brincadeira infantil do fort da). Um dia, estava conversando com uma amiga que tem seu belo trio infantil e ela me contou o espanto de uma babá que estava perto enquanto ela brincava com sua filha que chorou por alguma razão (acho que foi a presença de um estranho). A criança com um ano de vida já foi diagnosticada pela babá. O problema estava na constante presença da mãe! Ser tímido ou introspectivo na infância é um crime capital! Quem é mãe de uma figurinha tímida sabe bem o que é ter que explicar todo dia que você não prende uma criança num quarto. Ela tem, por efeito da diversidade criativa de Deus, seu temperamento, embora não se negue que este também responde a suas relações sociais.
A questão pra mim, é que isso tudo responde sim a uma agenda ideológica. Criança autônoma, propriedade e responsabilidade da família extensa, do estado e do escambal, menos da família nuclear ou dos pais propriamente. Não há apego inicial a ser rompido...e se for com a mãe o circo está montado! Antes que alguém me ataque e xingue, deixem-me dizer que não sou contra ajuda externa no cuidado dos pequenos. Se ela estiver disponível, fique feliz! É raridade!!!

A impressão que tenho, ao ouvir jargões como esses que citei acima é que crianças são hoje tratadas como ervas daninhas. Elas nascem, mas ninguém tem trabalho com elas. Existe sol e chuva, pronto! Elas que floresçam e usufruam das propriedades naturais do ecossistema.

Pra mim filhos são como flores. Resultado de um trabalho constante, desde o momento que a semente bate no solo até suas florações. Sim, eles tomam tempo, exigem investimento, precisam ser podados e aguados quando a chuva não vem naturalmente. Cada um deles tem também seu tempo de florescer. Há as papoulas coloridas que dão vida ao jardim e se adaptam facilmente a qualquer circunstancia. Há as violetas singelas, que pra vê-las você precisa afastar as folhas. São belas, mas é preciso observar com carinho para que sejam apreciadas. Há aqueles que são tal orquídeas. Elas demoram para florescer. ÀS vezes parecem um caso perdido, não podem ser molhadas em excesso, nem levar muito sol. No entanto, para felicidade de quem segue seu ritmo um dia elas florescem e suas flores duram por muito tempo, compensando o esforço de quem delas cuidou. Sim esta é uma metáfora feliz para o que creio...filhos precisam de direção, cuidados e presença!!! Eles são tal qual flores...exigem tempo!!! Ao seu tempo florecem e dão seus frutos!!!!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

O Culto ao que é antigo... A necessidade do que é novo




Estes dias ouvindo, lendo e aprendendo, eu comecei a perceber duas tendências marcantes em alguns dos meus interlocutores. Uns vivem com toda a intensidade a cultura atual que mais parece um fastfood de coisas rápidas e soluções instantâneas.  São esses, muita vezes de minha idade ou até mais velhos que me fazem parecer uma velhinha decana, por achar que tempo é uma coisa que faz diferença em tudo. Apesar de ser mãe no presente tempo, não me identifico com a praticidade do purê instantâneo, sou do tipo que prefere descascar as batatas. Também fico aturdida com muita coisa que ocorre ao meu redor. Não entendo o correr por correr do meu tempo, nem o expor por expor. Eu ainda pinto com lápis crayon com meu filho, prefiro um diário a postar no face que fui almoçar ou jantar num lugar. Um dia desses ouvi de duas leitoras muito queridas que meu blog era meio coisas de velhinhas... muito texto...Por que não mostrar mais o maridão? Por que não mostrar fotos da roupa nova de Benjamin ou milhares de fotos minhas? Ou talvez filmar o próprio parto e alertar que há exibição de partes intimas... Afinal é isso que atraí multidões e o discurso é que não há nada mais natural do que a nudez humana e o nascimento. Não, eu não sou contra tecnologias, redes sociais, celulares, tabletes, etc. Eu só gosto muito da vida para além disso!!!Eu ainda tomo meu chazinho na caneca todas as noites e prefiro ler a história no livro do que ver o filme...Espirito de velha? talvez...

Eu tento sempre lembrar o que é ferramenta e o que propósito para que o meio que uso para dialogar não se confunda com o que quero dizer. Talvez eu prefira conversar com as pessoas de que mostrar-lhe as coisas... Sei que esse é o nosso tempo! O tempo de usar a internet móvel e assistir TV ao mesmo tempo, de postar cada passo do dia nas redes sociais, de aprender uma coisa e descobrir que ela ficou velha no dia seguinte. De ver todo dia algo ``bombando´´ e atualizar o papo. Serei uma pessoa jovem de espirito velho? Pergunto mais uma vez.


Também tenho o cuidado de que minha tendencia chamada de velhice aguda precoce por uma das minhas leitoras não se converta em um culto ao antigo e às tradições, como se as coisas de uma época passada fossem uma espécie de marco sacro de um tempo dourado e bom. Falo isto porque quando navego pelos mares dos escritos alheios eu vejo duas tendências opostas pelo mundo afora. Numa primeira, há um apego ao novo, a um mundo onde tudo é possível e segundo uma das minhas queridas leitoras ninguém tem tempo para ler textos...no máximo algumas frases de efeito rápidas e alentadoras. Por ela, eu sou um caso perdido!


De um outro lado, vejo uma crescente tendencia a valorizar o antigo em demasia. São pessoas que se apegam a tudo que é antigo como se fosse o melhor. Estes dias li alguém dizendo que se quisermos segurança de nossos filhos, deveríamos buscar por coisas antigas, livros, filmes, desenhos, todos velhinhos cheirando a poeira. Eu gosto das tradições. O primeiro livro completo que li na vida era uma edição bem antiga do meu pai de O Peregrino, eu deveria ter uns 5 anos de idade. Agradeço imensamente a ele por isso. Sim, gosto de coisas tradicionais e acho que elas têm poder de demarcar lugares e a própria história. Confesso que é mais fácil achar coisas antigas que sejam mais sustanciosas. 

No entanto, como mãe acho que não devemos pensar que o fato de algo ser antigo nos põe em segurança. Sodoma e Gomorra também são parte do que podemos considerar cultura antiga, bem como a Babilônia à qual Daniel resistiu. Pessoas que se apegam em demasia ao que ficou pra trás, tendem a ter um olhar saudosista e a se apegar a filosofias passadas pelo simples fato delas serem tradicionais. Não, eu não acho que porque um desenho é antigo, ele transmitirá bons valores e boas mensagens a nossas crianças. Acredito que é mais fácil encontrar boas poesias e textos nas produções que são antigas; no entanto, o que procuro é mais que isso.


Acho que andar na onda da atualidade também é uma barca furada. Não quero fazer tudo como todo mundo faz. Esses dias quando o tempo de TV do meu filho se esgotou, eu o desafiei a brincar e sobre protestos desliguei a TV.Uma pessoa adulta que estava perto me criticou e disse que estou criando meu filho fora da atualidade. Ela teve contato com muitas crianças e aos 3 anos (idade do meu rebento), elas deixavam de brincar com brinquedos e preferiam pular na frente da televisão. Isto é normal, segundo ela. Meninos preferem TV e vídeo games. Eu interpelei que talvez por isso dados numéricos apontem as maiores dificuldades no letramento de meninos que de meninas em nosso contexto atual. Eu quero educar meu filho pra fugir dessa média. 


Embora meu filho estivesse assistindo um programa educativo selecionado previamente e gravado por mim, há vida útil para além disso! Desliguei sim a TV pois quero educar dentro de princípios em que acredito e não do que soa atual... e nós nos divertimos muito construindo uma garagem para seus carrinhos e inventando uma história a partir de objetos.


O que quero dizer afinal? Que nem cultuo o antigo e nem o novo. Pra mim, o mal é uma realidade que existe desde o Edem, não vou ficar cultuando algo porque é medieval. Se eu analisar e fizer sentido, vou usar. Se não, descarto! Não tenho também nenhum interesse de parecer atual, pelo simples fato de parecer. Eu uso as ferramentas presentes como meios...não quero que elas dominem minha vida ou meus filhos. Enfim...pra mim o equilíbrio ainda é examinar tudo que entra na minha casa e reter o que é bom...sou perfeita nisso? Não! Acerto sempre? Não! É fácil pra mim? Não! É fácil, por exemplo, explicar à mãe do amiguinho que lhe acompanha num centro comercial porque seu filho de 2 ou 3 anos não frequenta o Game Station do Shopping Center e fica ao seu lado em todo o trajeto, com apenas pequenos consolos (tomar um sorvete no café, por exemplo), fazendo você parar e demorar mais, enquanto todas as crianças estão lá brincando e não `atrapalhando´´ os pais? Não. É difícil e cansativo. Às vezes talvez seja mais simples e agradável ceder. Porém quem disse que o melhor é sempre o mais fácil? Quem disse que a maternidade é um ajuntamento de coisas fáceis?


  Cheguei à conclusão que nem o velho, nem o novo é a questão... Talvez a questão seja examinar tudo e reter o que é bom, dentro dos parâmetros que regem nossas vidas. Nesse caso os parâmetros bíblicos estão na dianteira. Eita tarefa árdua e cansativa, pelo menos pra mim!!! Para aqueles que se consideram expertos na tarefa, talvez seja fácil. Eu, no entanto, estou tentando! Com erros e acertos, estou tentando! Talvez eu deva terminar esse post logo e orar pra Deus me ajudar nesta tão difícil tarefa.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Tempo, tempo, tempo...

Arrumando meus livros achei um que li a um tempinho atrás e revisitei uma citação que me falou profundamente na época em que li. Eu sempre reflito sobre a forma como a administração do nosso tempo revela nossas prioridades. Que Deus me ajude a remir meu tempo e achar um coração sábio para este propósito!

`` Se eu digo que Deus é a minha primeira prioridade, mas minhas ações não estão de acordo com isso (ler minha Bíblia e orar, agir dirigida pelo Espirito Santo, obedecer aos mandamentos de Deus) há muita chance de que me sinta derrotada. Meu próprio calendário ou agenda fará de mim mentirosa. Se eu digo que amo meu esposo  e ele é minha prioridade, mas estou cansada demais para ter um tempo de qualidade pra ele, então vivo uma mentira e me sentirei derrotada pela minha hipocrisia. Se eu digo que amo meus filhos e que as necessidades deles são prioritárias, mas não tenho tempo de cuidar deles, eu viverei sobre o peso da minha própria inconsistencia.´´

Susie Davis  em The time of your life, P. 109
(Traduzido e adaptado)




Caldo Verde

Oi gente!
Paz seja com todos,

Vai uma receitinha que é sucesso garantido na casa desta mamãe que vos fala. Quando eu faço couve refogada, os rapazes da casa torcem o nariz e só eu como, mas quando tem caldo verde só sobra a panela e o marido ainda arranha meu teflon, se eu não prestar atenção. Eu claro, viro cão de guarda da minha panela!
Benjamin diz que essa é a sopa de limão (por ser verde). Esses dias eu fiz e ele disse à tia: hoje mamãe fez sopa de limão, Tava uma delicia...rs.
Provavelmente, se alguém faz caldo verde sua receita deve ser diferente, pois eu comi num restaurante e fui tentando fazer pela memória gustativa. Por tentativa e erro cheguei a esta receita, que foi a que me agradou. Eu sei que era mais fácil ir na internet e achar, mas eu gosto de desafiar os meus sentidos, quando cozinho.




Caldo Verde 
Ingredientes:
1/5 kg de batatas
3 xícaras de água (mais ou menos 750ml)
150g de paio (é o que mais gosto nesta receita, mas pode usar calabresa também)
3 folhas grandes de couve manteiga cortadas bem fininhas (quanto mais fininha mais chance dos pequenos consumirem).
1/4 de uma cebola
1 colher (sopa) de salsa e alho desidratados (você encontra fácil no mercado na parte de temperos)
uma pitada (mais ou menos meia colher de café) de estragão desidratado (também você encontra na parte de temperos secos, mas se não achar faça sem este ingrediente. Pra mim ele dá um frescor gostoso à receita)
sal a gosto.

Modo de fazer: 
Descasque as batatas, corte-as ao meio e coloque na panela de pressão junto com o paio ou a linguiça  (eu dou uma lavada antes, não sei porque, mas dou), a cebola cortada em pedaços grandes e a água.  Tampe a panela e leve ao fogo por um período de 5 a 10 minutos (isso vai depender da potencia de sua panela de pressão). Depois, retire o paio ou linguiça, tire a pele do paio com uma faca, corte em rodelas e reserve.
Passe a batata, a cebola, a salsa e alho desidratados e o estragão com o caldo de cozimento. Se quiser acrescente um pouco de caldo de legumes caseiro (2 ou 3 colheres-sopa) ou meio tablete de caldo de legumes industrializado (eu prefiro o caseiro, pois é de fácil preparo) diluído em água morna. Passe no liquidificador. Transfira para uma panela e cozinhe em fogo médio até ferver. Acrescente a couve e cozinhe por no máximo 5 minutos mais ( o tempo para a couve amaciar). Tempere com sal e acrescente o paio ou linguiça. Faça umas torradinhas pra acompanhar.
Bom apetite!!!

Dica: Se seus filhos torcerem o nariz para as tirinhas de couve, separe a sopa deles e passe o caldo no liquidificador com a couve, depois da sopa cozida e finalizada, reservando apenas o paio ou linguiça pra acrescentar quando servir.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Organizando a rotina de limpeza doméstica


Paz a todos e  todas!

Gostei muito dessa dica e resolvi compartilhar. O texto foi retirado integralmente de um blog chamado Organize sem frescuras assinado por  uma Personal Organizer (organizadora profissional, acho que seria o termo adequado. Se traduzido ao pé da letra seria organizadora pessoal). Ela se chama  Rafaela Oliveira e tem dicas interessantes de organização.

Segue o texto:




Que as tarefas diárias ajudam a manter a casa limpa e arrumada é fato. Mas só isso não basta. É preciso elaborar e acrescentar na rotina da sua casa um plano de faxina para executar com regularidade as tarefas que exigem mais tempo e esforço (passar aspirador, lavar pisos, limpar a geladeira, etc.) e pode também como na maioria das casas, programar a faxina semanal.
Se você tem uma empregada doméstica (ou diarista) em sua casa ou é você que bota a mão na massa, aqui está um plano para a rotina da limpeza para ajudar a se organizar. Assim fica mais fácil de manter a casa limpa. Caso você more sozinha, talvez uma faxina quinzenal seja suficiente (desde que mantenha uma rotina mais frequente para pequenas limpezas). Se quiser imprima o checklist para ajudar:

Antes de começar qualquer trabalho de limpeza, deixe a casa organizada, pois assim a tarefa da limpeza não levará horas ou dias.

Plano A – este é o estilo mais tradicional e dá resultados melhores para quem tem mais tempo e gosta de deixar a casa um brinco. Seguindo este plano, a casa será limpa uma vez por semana, veja como fica a rotina:

Banheiros

Limpe o vaso sanitário
Limpe a cuba e a bancada da pia

Limpe o boxe (inclusive as portas) e a banheira se tiver

Limpe os espelhos

Varra e lave o piso

Troque todas as toalhas

Cozinha

Limpe a pia e o ralo

Limpe o forno ou geladeira (alterne cada semana)

Limpe a mesa e outras superfícies

Limpe o microondas

Varra e lave o piso

Quartos


Troque os lençóis

Guarde a roupa lavada e passada

Lave a roupa suja

Limpe o assoalho

Cômodo a cômodo

Limpe o piso de toda a casa (afaste os móveis maiores e limpe o que está atrás dele)

Remova eventuais teias de aranha

Tire o pó e passe lustra-móveis

Organize ou descarte os papéis sem utilidade

Guarde tudo o que estiver fora do lugar

Enquanto limpa a casa, coloque as roupas para bater na máquina

Plano B (30 minutos por dia)- este plano é para as pessoas que não tem muito tempo e que adiam as tarefas domésticas semanais, requer 30 minutos diários para limpar somente um cômodo ou para fazer alguma coisa em toda a casa:

Segunda- Cozinha

Terça- Banheiro
Quarta- Sala de estar, sala íntima e sala de jantar

Quinta- Quartos


Sexta- Escritório, corredores e hall de entrada

Sábado- Área de serviço e lavanderia
Domingo- É só descansar 



Plano  C – este é o plano que implemento na minha casa, isto é, para quem prefere uma limpeza diária, veja estes itens como sugestão:

Arrumar a cama

Lavar a louça

Trocar as lixeiras

Limpar a pia do banheiro

Limpar a pia e o balcão da cozinha

Dar um jeito na bagunça

Separar a roupa suja

Organizar as correspondências

Varrer o chão da cozinha

Eleja um ou dias da semana para lavar e passar as roupas


Plano D (uma tarefa por dia)- este plano é para quem não gosta de rotina, faça uma lista de tudo que precisa ser feito regularmente e fixe na porta da geladeira. Para este plano dar bons resultados, você precisa fazer alguma tarefa todos os dias e complementar cada tarefa pelo menos quinzenalmente. Anote seu progresso e a data em que executou em um caderninho.
Atenção!
Estes planos eu fiz para ajudar na organização da rotina, você não precisará seguir a “ferro e fogo”, respeite a cima de tudo, a rotina da sua casa e o jeito que mais gosta de trabalhar, pois se não, as tarefas domésticas viram uma coisa chata de executar.

Dica de ouro: se você dispõe de pouco tempo e não tem muita energia, priorize as tarefas mais importantes e execute-as com capricho, se preferir, escute suas músicas prediletas enquanto trabalha, ficará mais divertido e o tempo passará mais rápido.

Fonte:  www.organizesemfrescuras.com

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Uma verdade!


`` Mais vale ter pouco, com o temor do Senhor, que muitas riquezas com grandes angustias. É melhor comer legumes onde  há amor que ter uma mesa farta onde há ódio´´

Provérbios 15.16-17







Num mundo que cria a cada dia novas necessidades, é bom lembrar dessa verdade!!!
Pra mim, não há nada melhor que observar os meus queridos dormindo e ir descansar sabendo que mais um dia de batalhas, alegrias, desafios e vitórias ficou pra trás! 
Enquanto os filhos dormem, o marido cochila no sofá, nós mamães estamos planejando o almoço do dia seguinte, adiantando tarefas, dobrando roupas,  aproveitando um tempinho de leitura, etc...


Sei que é assim na vida de muitas mães, vamos indo de força em força! 



No entanto, creio que muitas mães e pais não trocariam o desafio do dia-a-dia, por uma vida regada a luxos onde faltasse o afeto. Estes dias, eu estava sentada bem cansada fisicamente e uma  amiga me falou em tom de brincadeira algo do tipo:`` Ah, inventou de ter outro filho, agora veja!´´ No entanto, eu penso que há o cansaço feliz...aquele da tarefa cumprida, do desafio alcançado e da fé que Deus não nos desampara. A coluna doí, mas o coração descansa, apesar dos desafios da vida.

Filhos não são acidentes, são oportunidades de Deus de sermos parceiros dele em edificarmos pequenas vidas, tornando alguém melhor do que somos e tornando-nos melhores pra que vejam Cristo em nós e possam ver em nós sua gloria. A cada dia nasce comigo esse sentimento, embora saiba que sou carente da graça divina pra tão grande tarefa.
Eu aprecio muito esse chamado de Deus! 


Uma noite de paz a todos! 



sábado, 10 de agosto de 2013

Feliz dia dos Pais!!!

Pra mim isso sintetiza o quanto um pai é importante para um filho:


"Alguns anos atrás, pedi aos ouvintes de nosso programa de rádio que ligassem para nossa organização e gravassem uma mensagem para o pai. Mais de seiscentas pessoas participaram. Ouvi uma porção dessas mensagens  e coloquei algumas no ar no dia dos Pais. Nenhuma delas focalizava a vida profissional dos pais. Nenhum ouvinte disse: 'obrigado, pai, por ganhar bastante dinheiro', ou 'obrigado pela casa  enorme que você proveu para nós', ou 'obrigado pelo Cadillac (ou Mercedes ou BMW)'.  Nenhum mencionou o fato de morar em um bairro de classe alta. Ouvinte após ouvinte, a mensagem foi: 'obrigado pai por me amar e estar sempre ao meu lado'. Alguns disseram emocionados: 'obrigado pai por me deixar interromper você mesmo quando estava ocupado'..."

James Dobson




Pais dos filhos das mamães que são as cuidadoras na maior parte do tempo, vocês não são coadjuvantes!!! Seu papel é primordial no crescimento de seus filhos. A lembrança mais antiga que tenho de meu pai é de um dia chuvoso em que eu estava com crise de bronquite e febre alta, minha mãe me enrolou num xale amarelo e ele me levou à emergência num frio terrível, pegando um taxi na rua, pois nosso carro estava quebrado. Hoje eu sei que ele protegeu minha mãe de levar aquele frio terrível. Lembro que ele tinha um casaco preto e que eu me aninhava em seus braços. Pelos cálculos da minha mãe, eu tinha quase quatro anos...mas a lembrança ficou!

Ontem quando eu fui levar meu filho pra cortar o cabelo, ele pegou a bolsa pesada que eu carregava e disse:" mamãe eu levo! Não é bom você levar peso". Exatamente o que o pai dele diz e faz. Então eu percebi que diferença o pai de meu filho faz no adulto que ele será. Não se trata de ser perfeito! Se trata de estar disponível para ensinar e aprender!

A todos os pais e ao meu querido pai, ao meu sogro, e segundo pai, e ao meu amado esposo, especialmente, um feliz dia dos Pais!!!!

Esta é a mensagem singela desta aprendiz de mãe e blogueira,

Ana Cláudia Alves da Silva


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Uma carta aberta de um pai a uma filha- Achei uma boa mensagem para os Pais



Querida L.Y.,

Em uma caixa em algum lugar na garagem há um filme de nós dois. Apesar de estar jogado e perdido, ele continua passando em minha memória. Eu estou te segurando. Você cabe perfeitamente em minhas mãos. Meu coração se encaixa perfeitamente entre seus dedos – por menor que eles sejam. Foi há muito tempo. É a personificação daquela velha metáfora que usamos para descrever pais e filhas: “Presos em seus braços” ou algo parecido. Não há dúvida, estou entrelaçado. Sempre estive. Silenciosamente, eu me abaixo e sussurro algo para você.  Fica difícil decifrar o que estou te dizendo nessa velha fita empoeirada. Mas eu sei exatamente o que eu disse: “Você sempre será essa criança aqui em minhas mãos. Nunca vou te abandonar nem te desamparar. Te amo”. Já faz quatorze anos, mas é como se fosse hoje.

Um dia, se Deus permitir, você saberá quão profundamente um pai ama seu filho. É a veia sem fim no coração de um pai. Mas você nunca saberá quão intensamente um pai ama uma filha. É difícil colocar em palavras. É uma mistura de força e suavidade que só existe nesse relacionamento. Um amor de pai paira como uma cidadela sobre o tesouro intocável da vida da sua filha. (É por isso que seu pai age como um suspeito atirador escondido à sua volta.) Uma filha cresce dentro de suas barreiras seguras. O amor de um pai pela sua filha é um preservador contra milhares de doenças tentando infectar a inocência da vida dela.

É de se espantar porque jovens são reduzidas às lágrimas quando elas olham para trás no filme de suas vidas e não conseguem ver a doçura de um pai? É profundamente lamentável… e desnecessário. Garotas precisam de pais. Negligência aqui é cruel. A pior coisa que um pai pode fazer às vezes é não fazer nada. Parece que eu aconselho a onipresente jovem com coração ferido toda semana. Ela é a jovem mulher perdida que busca valor próprio nas afeições de um rapaz – nunca tendo recebido isso do pai. A dor dela é profunda. A ternura é um poder sublime nas mãos de um pai. É impressionante ver o que o tempo investido mostrando amor aos oito anos faz a uma pequena garota quando ela tem vinte e oito. Ele constrói confiança como poucas coisas conseguem fazer. É uma fundação colocada dentro do coração.

Você não percebe completamente agora, mas um dia, em meio às dificuldades da vida, você verá o que eu tenho feito todos esses anos. Você verá o que eu sussurrei para você muitos anos atrás. Na escuridão da sua dor, você tocará o fundo e de repente sentirá uma fundação abaixo de você. Eu sei que você me ama. Sei que você me respeita mais do que qualquer outro homem nesse planeta. Mas eu não estive voltando seu coração para mim, tão quanto para o Meu Deus. Minha liderança em sua vida tem a intenção de te dar um pequeno vislumbre do incrível poder dEle sobre todas as coisas, incluindo você. Eu sei que o Meu Deus te sustentará.

Quando a hora chegar você sentirá uma firmeza que você nunca sentiu antes. Ali, naquele momento, o amor dEle será meu maior presente para você. Uma visão do poderoso Deus, que tenho diligentemente te mostrado conversa após conversar e carinho após carinho, aparecerá e te agarrará. Meu próprio amor, incompleto e imperfeito, agora fará sentido na infinita sombra dEle. Você se curvará calmamente sobre a sua vida e dirá: “Obrigado, papai. Deus é Grande. Ele nem me abandonou nem me desamparou”. Seu pai terreno ficará contente em ser ofuscado pelo seu Pai Celestial. Você não é minha. Você é dEle. Eu me alegrarei de dentro da fenda da grandeza dEle enquanto observo minha filha adorar com os joelhos que no passado eu colocava band-aids.

Oro para que meu cuidado por você revele nitidamente o amor do Nosso Salvador. Incondicional. Sacrificial. Paciente. Verdadeiro. Servil. Consistente. Presente. Oro para que meu sentimento sincero seja um contraste aos muitos enganos que se fazem passar por amor nesse mundo. Oro para que a visão de seu pai em adoração quebrantada por Cristo te dê a coragem para erguer o seu próprio coração em louvor diante da humanidade. Oro para que minha confissão transparente de pecado e fraqueza te incline a se refugiar na justiça de Cristo diante do seu pecado e fraqueza. Oro mais intensamente para que você não tenha meramente copiado a fé de seu pai, mas sinceramente tenha encontrado ao Senhor Jesus Cristo como o supremo objeto de sua própria fé.

Querida filha, não se acomode. Ame um homem que ame a Cristo mais do que a você – e a você mais do que ele mesmo. Seja atraída por ternura, humildade, abnegação, coerência e sacrifício. Busque aquele homem que carrega a marca da cruz do nosso Senhor na vida dele. Ame aquele homem que não vive no temor das suas emoções, mas no temor do seu Senhor. Não se case com um garoto… não importa quantos anos ele tenha. Não se apaixone pelo primeiro jovem que se aproxima de você e te dá atenção. Ao invés disso, siga aquele homem que se aproxima e se assemelha a graça incondicional do seu Senhor Jesus.

Lamento tanto pela condição geral da juventude masculina. Lameto por eles confundirem desejo sexual com amor. Entristeço-me por eles serem mais competentes em jogar do que em equilibrar o orçamento. Sofro por eles saberem mais sobre esportes do que doutrina. Desculpo-me por eles saberem melhor como manusear uma arma do que eles sabem tratar uma mulher. Sei que piedade em um homem é difícil de achar. Mas ache-a. Senão, você vai passar sua vida criando o homem que você achava que tinha se casado. A igreja e essa cultura estão cheia de meninos disfarçados de homens. Deixe-os para lá.

O homem que você está procurando não é um menino. Ele é um servo. Ele se preocupa com suas necessidades acima das dele. Se sou pelo menos em parte o homem que afirmo ser, você deve olhar para o amor do seu pai pela sua mãe e saber o que estou descrevendo. Você deve ser capaz de reconhecer quando você o vir. Aquele homem que entregará a vida dele pela sua é o tipo de homem que você facilmente pode dar a sua vida por ele. O homem que se autossacrifica é fácil servir sacrificialmente.

Pela graça de Deus, eu pretendi apenas que meu próprio amor servisse como um limite máximo em sua alma. Nada, com exceção do amor de Cristo, será maior que o meu amor. Assim, quando aquele homem – por quem oro todos os dias – se aproximar e ultrapassar o amor do seu pai, você voluntariamente dará seu coração a ele. E eu (secretamente desejando atirar nele e enterrar seus restos em um lugar secreto) amorosamente darei meu tesouro a esse homem que derrubou a fortaleza do amor do seu pai com uma arma tão fina quanto um avental de servo.

Seu Pai.





Fonte: http://purezaepiedade.blogspot.com.br/
Autor: Byron Yawn

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Oração de uma mãe imperfeita



Senhor,

Meu coração se rende ao teu altar
reconhecendo a tua bondade e grandeza.
Se em meu ventre fizestes com que o milagre da vida ocorresse,
se eu  achei graça aos teus olhos para que pudesse ser mãe,
só me resta entender que esta missão é minha.

Reconheço que não vejo em mim tudo que uma mãe precisa,
mas vejo em Ti as mãos de artesão que podem me ajudar e moldar
minhas experiências para que de mim saia o melhor que eu posso ser.
Num mundo cheio de imagens e mensagens confusas,
que nos tenta a querer ser tudo e viver  em busca de agradar a nós mesmos
e a ninguém ou nada mais,
eu te rogo por entendimento para entender que não vivo pra mim mesma,
pra compreender que se busco apenas o meu interesse momentâneo e fugaz,
provavelmente eu viverei como mais um que gasta a vida procurando a si mesmo
em coisas passageiras, em vez de construir sentido em Ti que me formastes, vistes crescer e conheces bem.

Senhor,
Escuto mensagens daqueles que apontam para o visível perigo
de ser mãe nos dias atuais,  eu sei que são tempos trabalhosos e difíceis.
No entanto, sei também que se me escolhestes para ser mãe no presente tempo,
Tu me ajudarás nessa missão.

Então, Senhor, te peço...
Quando minhas forças físicas faltarem,
apontando para a fragilidade do meu corpo,
renove-me  e faça-me atravessar o dia
e mesmo se o meu cansaço envolver sentimento de frustração,
ajuda-me para que eu possa ir além dele e ter um espirito renovado;

Quando minha paciência se esgotar,
não tire de mim o cálice das provações da maternidade.
Eu tenho que beber dele para que em mim se produza maturidade
e que eu possa colher os frutos de um espirito sereno
que não é dependente das circunstâncias, e sim das convicções.

Quando aqueles a quem sirvo não perceberem o valor de meu trabalho,
ajuda-me a não servir em busca de notoriedade e gratidão,
mas a entender que o que faço, faço-o para Ti e para alimentar o meu espirito
da convicção de que quero ter o mesmo coração de Servo que houve em Cristo Jesus.
Pois eu sei que quando servimos por louvores humanos, o propósito se esvai em si mesmo,
mas quando servimos em busca de ter o caráter renovado, servimos ao outro para crescer
e assemelhar nossa vida a ti.

Por isso te peço,
Da-me a sabedoria de Salomão para enfrentar as situações que me pedem respostas.
Da-me também a ousadia de Paulo para enfrentar os pequenos e grandes obstáculos que surjam no caminho de levar meus filhos a ti.
Quero também a coragem de Ester, de expor a mim mesma quando os que amo estiverem correndo perigo, entendendo que para este tempo e propósito me chamastes.
Quero te encontrar na caverna como Elias, quando parecer que estou sozinha e ninguém enxergar o perigo que o Baal deste século representa, mostra-me sempre os que não se curvaram ao sistema,
para que na comunhão com eles me fortaleça.
Quero ser como Moisés, estar entre meus filhos e o Senhor e que eles vejam em meu rosto o resplendor de tua gloria.
Quero viver a loucura de Nóe, de acreditar que a arca é o lugar certo pra meus filhos e não o mundo e suas propostas e engôdos coloridos.
Eu oro por eles e por mim mesmo como Jesus,
não para que nos tires do mundo, mas para que me livres do mal.
Quero tanto e tenho tão pouco a oferecer para que dele faças muito...
Sou tão imperfeita e cheia de marcar deixadas pela vida,
mas me atrevo a crer que o teu poder se aperfeiçoa naqueles sulcos, cicatrizes e marcas que lembram o quão falha e humana sou!
Sim, creio que o teu poder opera de um jeito mais forte em mim, toda vez que minha natureza faltante e faltosa se evidencia e no teu altar tenho a coragem de confessar.
Por esta razão tenho esperança e oro em nome de meu mediador,
Cristo Jesus, que me deu o direito de, imperfeita tal qual sou, me chegar a Ti.
Eu conto contigo Pai!




sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Aproveitando Ingredientes...ainda sobre bananas maduras- Doce e Geleia de Banana

Olá gente querida! 

Quando compartilhei a receita do bolo de banana fiquei devendo a do doce e da geleia. São receitas fáceis  e rápidas que ajudam a aproveitar as bananitas que vão ficando madura. O fim de semana está sempre sendo o período de ir na cozinha aqui nesse blog.

A geleia de banana eu aprendi com um vendedor de doce japonês. Pra quem não mora na minha região, que não é um filhote do nordeste como eu, doce japonês é um tipo de doce caseiro que alguns ambulantes passam na rua vendendo, fazendo soar um apito e gritando: Olha o Japonês!!!. Geralmente, eles são de castanha e coco, amendoim e coco, banana, etc. Por que o chamamos doce japonês? Não sei! Acho, do alto da minha ignorância, que não tem nada a ver com o Japão, mas quem souber fique a vontade pra me dizer. Hoje, em dia, os vendedores de Japonês são mais raros nas ruas, pelo menos nos grandes centros urbanos, mas um ou outro sempre dá o ar da graça e faz a alegria dos saudistas. 

Bom, depois desta breve introdução regionalista, vou explicar que eu estava gravida do primeiro rebento quando me deu vontade de comer o tal doce. Não foi nada demais, eu nem sou desse tipo que deseja, tira o marido da cama pra procurar jaca e tal...até nessa minha segunda gravidez sou tranquila, só a coluna que não ajuda! mas naquela ocasião, meu marido resolveu sair atrás de um , pois estávamos no interior, onde é mais fácil encontrar. Eu, depois de comer, perguntei ao vendedor como ele fazia aquele doce de banana tão diferente. Ele me corrigiu e disse se tratar de uma geleia ( me deu uma explicação daquelas sobre doces e geleias). Então lá vai a receita da geleia...

Geleia de Banana

Ingredientes: 750 g de banana prata ou nanica madura, 1/4 de xícara de suco de limão e 500 g de açúcar cristal (pode ser demerara). 

Preparo:
Bata os ingredientes no liquidificador e depois transfira para uma panela. Cozinhe em fogo baixo, mexendo sempre, até que comece a se desprender do fundo da panela (tipo ponto de brigadeiro). Continue cozinhando por um tempinho (5 a 10 minutos) em fogo baixo. Pronto. Coloque numa compoteira na geladeira e passe nas torradas, no pão, nas bolachas para a pirrralhada e os crescidos. 


Doce de banana

Ingredientes: 6 bananas maduras em rodela, 250 gramas de açúcar refinado ou demerara (se usar demerara o doce ficará escuro  mais rápido, então cuidado com o ponto), 250 ml de água e uma pitada de sal.

Preparo: 
Ponha o açúcar em uma panela para fazer uma calda no fogo. Quando a maior parte dele derreter, acrescente a água (não se aproxime muito da panela, pois às vezes respinga. O açúcar fica bem aquecido). Como dizia uma amiga que me ensinou, vai fazer um barulhinho como se fosse uma pequena explosão. Desfaça os possíveis torrões de açúcar deixando que se dissolvam e quando restarem poucos acrescente a banana e deixe cozinhar em fogo moderado ou baixo. O ponto do doce vai depender do seu paladar e não esqueça de acrescentar uma pitada de sal. Eu gosto do doce escurinho e com as rodelas de banana bem cozidas.  Se quiser e os seus não fizerem cara feia, acrescente uns poucos cravos da Índia após acrescentar  as bananas.

Não jogue bananas madurinhas fora! Você pode fazer coisas gostosas!!!! Se não quiser demorar na beira do fogão, faça uma vitamina ou uma cartola.  Alimente seus rebentos!

Um fim de semana abençoado a todos!!!


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O menino curioso que gostava de perguntar



Vou falar de um garotinho que eu tive a benção de participar da infância. Como eu era parte da rede de apoio de sua mãe, sempre ficava com ele quando ela precisava. Pra mim, era impossível dizer não  à companhia daquele pequeno de olhos amendoados e cílios grandes.

Eu sempre gostava de contar histórias tanto a ele como à sua irmã. Um dia, enquanto contava a história do cego de Jericó, cheguei à conclusão dizendo que Jesus podia curar de qualquer coisa, quando ele me interpelou perguntando:
- Você já viu Ele curando?
- Menino! respondeu sua irmã, repreendendo-o, a Bíblia diz que ele cura! Isso é lá pergunta!!!
O garotinho, que na época tinha de 5 a 6 anos, respondeu com simplicidade:
- Eu só tô perguntando. Porque se ela nunca viu, como é que ela sabe que é verdade?
Eu acolhi com seriedade aquela pergunta. Não vi nela incredulidade, mas o desejo de um garotinho curioso de poder experimentar respostas que me pareceram vitais. Contei pra ele sobre o dia em que Deus trouxe à vida novamente um dos meus irmãos, seriamente acidentado num atropelamento. Contei também como Jesus curou aquele meu irmão das sequelas do acidente, posteriormente, num culto de oração.

- Huum, disse ele analisando meu argumento, mas era bom que Ele curasse alguém  na minha frente.
Eu respondi que iria orar pra que um dia ele pudesse ver um milagre.

Aquele coração analista e pesquisador me encantava. Um dia depois de tentar contar histórias bíblicas que ele já dizia saber, me senti sem saída. Ele me perguntou se eu não achava que precisava ler mais a  Bíblia para achar novas histórias. Me vi obrigada a ter algo novo pra ele e a única história que me veio à mente foi a da queda de Lúcifer. Desta vez, entramos numa discussão teológica infantil. Ele queria saber porque Deus não perdoou o inimigo. Essas eram suas perguntas!!! às vezes confesso que orei em meu coração para responde-las.

Esse menininho era singular. me contou que já havia recebido a Cristo, mas isso não isentava a seus pais ou até mesmo a mim de responder perguntas, muitas vezes profundas, sobre sua fé. Esse era ele. Cada livro que lia dos heróis da fé era uma nova conversa. 

O garotinho cresceu e coincidentemente se tornou uma das companhias prediletas de meu pequeno filho. Hoje, ele debuta na adolescência, vivendo bem no meio daquela fase em que se espanta com a própria voz grave, faz a gente se sentir velha e achatada frente ao seu marcante tamanho. Nestes dias, ele veio nos visitar e estávamos travando uma agradável conversa sobre escavações arqueológicas e outras coisas mais.  Por alguma razão, acabamos falando de seus colegas da escola, quando ele me contou que um de seus colegas da escola era ateu e gostava de filmes de terror. Ele me contou que sua mãe sabia da proximidade de ambos e lhe havia dito que era muito importante que ele o influenciasse e não o contrario e que se ele tivesse dúvidas sobre algo a procurasse ou mesmo ao pai.  Eu não resisti e perguntei, agora era minha vez de perguntar:
-E você já teve dúvidas sobre sua fé?
-Não, me respondeu ele. Meu amigo é um tonto! Como é que o acaso vai criar alguma coisa. Nada aparece do vazio. Tem muitas provas que Deus existe.
- Ah, respondi eu, admirada com a tranquilidade dele que montava um jogo com meu filho como se minha pergunta não fosse lá grande coisa. E os filmes de terror?
Ele, ainda sem alterar o olhar, procurando peças do jogo , me disse:
-Isso é outra idiotice. Qual o sentido de assistir uma coisa que só tem como objetivo assustar? É coisa de gente tonta, também. 

Eu sorri por dentro, percebi que o garotinho que fazia perguntas cresceu e se tornou um projeto de adolescente cheio de convicções e que construiu respostas. Que bom que teve alguém do seu lado pra responder suas perguntas! Lembrei de sua mãe, das vezes em que priorizou seus filhos... os projetos pessoais dela se concretizaram, mas sei que teve a coragem de entender que como diz o sábio Salomão tudo tem seu tempo. Ela discerniu o tempo e as estações. Agora pode sossegar. Seu filho tem um colega ateu que  não lhe demove a fé. Ela pôde fazer coisas individuais que muita gente não fez, mas na hora e medida certa. Muitas vezes a vi procurando livros e documentarios para seu pequeno curioso, explicando-lhe coisas, estimulando-o a ler, repassando a tarefa de casa e até discutindo dados históricos e geográficos com ele. Não estou dizendo que uma criança não possa passar por momentos de dúvida, apenas me regozijo com aquela situação.

Lá dentro, em meu coração, eu lembrei que um dia antes meu filho estava orando de olhos abertos. Quando sugeri que fechasse os olhos, ele disse que era pra ver se pela janela entrava o anjo Gabriel (eu tinha acabado de contar a história de Maria), Jesus e Papai do Céu. Eu sorri e ele me perguntou: mamãe, eu posso ver Ele quando??? Jesus não pode deixar eu ver Ele nem um pouquinho assim??? Só quando a gente chegar no céu é???

O menino que perguntava me deu esperança!!! Espero que estar perto pra ouvir as perguntas do meu menino, o ajudem a encontrar respostas e que desses diálogos surjam convicções pessoais e experiências com Cristo que sejam mais fortes do que as muitas leituras relativistas e vazias de sentido que ele possa encontrar. Não confio em mim mesma, mas que minha presença seja portadora da graça divina.

O menino que  me perguntava... Ele não me perguntou, me respondeu desta vez!!!